Início > Sistemas de Informação > A importância da motivação dentro de uma organização

A importância da motivação dentro de uma organização

Outubro 8, 2012

Ao longo da minha vida profissional, passei por diversas organizações e aprendi muito sobre gestão de equipas ao nível humano, analisando como trabalhavam as várias organizações onde dava apoio ao nível da cooperação interna e a respectiva motivação. Do que observei, posso concluir que qualquer organização é movida e depende das pessoas para se valorizar. Quanto mais fortes são as equipas ao nível da sua motivação / interacção, mais sucesso se vê obter nos seus projectos. Facilmente se conclui que, não adianta termos bons técnicos isoladamente, se estes não se mantiverem motivados e integrados a funcionar como uma equipa dentro de um ambiente de cooperação sintonizado.

Parece primário o que afirmo, mas na realidade em grande parte das organizações, falta o factor humano como um bloco único e motivado para que o trabalho se desenvolva em harmonia, e que contribua para o seu sucesso.

Por mais tecnologia que exista hoje em dia, é essencial que os gestores sejam capazes de manter os seus recursos humanos sempre motivados. Tal como num casamento, quando existe respeito, união e comunicação, esse casamento é sólido, pois os pares estão a funcionar apenas num sentido, poderá existir dificuldades, mas ambos estão a remar no mesmo sentido e o casamento perdura. Nas organizações passa-se o mesmo, é necessário que todos tenham bem interiorizada a visão e a missão da sua organização, desde a gestão de topo até ao colaborador cujo trabalho será mais simples, todos são importantes para a organização. A expressão do ” vestir a camisola” é essencial.

Infelizmente em grande parte das organizações, vemos muita competição pela negativa entre departamentos, a realidade da maior parte destas organizações é que funcionam em vários blocos estanques parecendo que não fazem parte da mesma equipa e com um objectivo comum. O mais grave é que, dentro de cada departamento ou sector também é usual não se trabalhar em equipa. Este tipo de postura, leva a quase sempre à expressão mais conhecida, “Falta de produtividade”, consequentemente à falta de competitividade e em situações extremas pondo em causa a sustentabilidade de uma organização.

Concluindo, penso que os gestores da empresas e cada responsável por gerir equipas, deverá ter como desafio, pensar cada vez mais em formas de manterem as suas equipas empenhadas, motivadas e a trabalhar como equipa. È fundamental no cenário actual de competitividade e dificuldades, trabalhar a gestão dos recursos humanos, não só pela competitividade no mercado, bem como a sua sustentabilidade como organização.

%d bloggers like this: